LUXO SUSTENTÁVEL | Bello Brasil Nº2

LUXO SUSTENTÁVEL | Em Parceria com Casa Ibirapitanga

Camera LEICA
Carteira OSKLEN
Relógio MARÉ
Cordão CAROLINA ANDRADE

Camisa OSKLEN
Sapato OSKLEN
Bolsa LOUIS VUITTON

Camisas REROUPA x FARM
Relógio MARÉ
Brincos CAROL ANDRADE
Bolsa LOUIS VUITTON

Bolsa OSKLEN
Camisa REROUPA

Moletom OSKLEN

Mala LOUIS VUITTON
Bolsa RECMAN

Odyssee faz moda com arte e upcycling 

Transformar plugues, placas de circuitos, cabos e fios em acessórios originais é a atividade da designer de moda Fernanda Nicolini, criadora da Odyssee – marca carioca de pulseiras, brincos, colares, chaveiros e bolsas que simbolizam um novo tempo em upcycling de materiais e resíduos eletrônicos. Nesta entrevista, Fernanda conta a história de sua marca e sua relação inovadora com a sustentabilidade e a arte.

Como surgiu a ideia de transformar resíduos eletrônicos em moda? 

A Odyssee surgiu em 2015 no trabalho final da minha graduação em Moda, quando os acessórios que criei com resíduos eletrônicos fizeram bastante sucesso. Depois, com muita pesquisa, percebi que havia pouca informação sobre o que eu estava fazendo e que era importante falar sobre aquele material. Decidi então mostrar uma moda com significado que ajudasse o meio ambiente e que fosse autoral. Foi assim que oficializei a minha marca.

Como você definiria a Odysse?

A marca é mais que o produto em si. Desejamos mostrar a importância de se consumir conscientemente e incentivar o descarte correto do e-lixo. E temos outras iniciativas  que fortalecem a marca como  workshops de ressignificação e construção de acessórios, palestras sobre upcycling e consumo consciente, cursos de longa duração ligados à arte e um programa de imersão para empresas de moda que querem  implementar o reaproveitamento nas suas práticas. Desenvolvemos projetos especiais de gestão criativa de resíduos em parcerias com empresas e também realizamos exposições ligadas à arte contemporânea, ampliando o nosso raio de ação.

De onde vem a sua inspiração? 

Tudo me inspira, até uma pergunta que me é feita pode me inspirar a fazer uma coleção inteira. Arquitetura, arte, cinema e temas importantes também muitas vezes são traduzidos para as peças, busco sempre essa interface. Por vezes um insight faz com que o próprio material desmontado se transforme imediatamente em uma peça. Por isso nossas coleções não seguem tendências ou estações pré-definidas e são lançadas progressivamente durante o ano sem formato fixo em coleções cápsulas e em coleções de peças únicas.

Qual é a origem da sua matéria-prima? 

Temos diversas formas de receber e coletar o resíduo eletrônico. Promovemos ações e eventos de descarte consciente em nossas mídias e qualquer pessoa pode nos contactar para descartar até cinco quilos, recebendo em troca um cupom de desconto na Odyssee. Também temos parcerias com a recicladora de eletrônicos Zyklus, para onde encaminhamos carcaças e partes plásticas para reciclagem direta, e garimpamos material em empresas e escritórios que nos procuram para fazer a gestão de resíduos. Nosso projeto a médio prazo é unir forças para criar e capacitar grupos para as etapas de preparação da matéria-prima.

Como você produz as suas peças? Ou joias? 

Não tenho problemas com rótulos, meus produtos podem ser chamados da forma como a pessoa se sente melhor. Alguns os chamam de bijuterias, outros joias ecológicas. Eu prefiro pensar meu trabalho como “acessórios arte”. Todo o processo é feito à mão por mim, seguindo as etapas de logística de arrecadação de material eletrônico. Adquiro de fornecedores apenas os acabamentos e ferragens das peças. Tenho alguns parceiros técnicos, outros institucionais, e o Marcelo Sant’Anna, artista visual e músico, que cuida da parte de identidade de marca e da parte audiovisual.

Como você vende suas criações?

Estabelecemos um sistema de circularidade do produto em que as peças podem se transformar em outras peças. Depois de um ano, o cliente pode descartar conosco a sua peça e transformá-la em uma nova pagando 50% do seu valor original, ou ganhar desconto para a compra de uma peça nova. Outra iniciativa é o sistema “pague o quanto quiser Odyssee”, inaugurado em abril de 2018. Com ele, o cliente decide o quanto pagar a partir de uma lista aberta de etapas de produção e tempo investido em cada produto. Estamos propondo um modelo novo na moda, abrindo caminhos para que o consumo seja realmente consciente.

www.odysseebr.wix.com/odyssee | @odyssee_br

About The Author

Stephane Marquet
Creative Director

First of all, excuse my French! … I was born in the South of France. Lived in Paris for 10 years and travelled the world until I moved to Los Angeles in 2008, because obviously recession was a great time to move to a new country! I also arrived around Halloween and was greeted at the Social Security offices by a nurse who directed to the window Number 6 so a witch could hand me my social security number. Welcome to America. I am a painter, a photographer and the creative director of BELLO mag.

Leave a Reply

Your email address will not be published.